O Retorno do Leiteiro: o modelo da Loop para uma nova logística com menos plástico

Você está em casa e a campainha toca. Você lhe entrega as suas embalagens vazias da última semana e recebe de volta embalagens cheias de produtos. Você paga a embalagem uma vez e depois só o refil. Isso umas 100 vezes.

Não estamos falando do leiteiro nem de uma cena dos anos 50. Estamos falando da Loop e do que ela pode representar na busca da redução do plástico “mainstream”, aquele gerado pela grande indústria com seus produtos mais populares. Pensa OMO, Azeite Gallo, Shampoo Pantene, Danoninho, Sorvete até! Tudo no refil com uma cadeia logística que é gerida pela própria indústria e pela Loop.

E pensa uma embalagem linda que pode durar até 100 retornos, um novo design, novos materiais, quem sabe até sem usar plástico. Aliás, olha ela aí.

 O fim do plástico não é mais utopia (será?)

Bom... pelo menos não utopia pura. A Loop é uma empresa do grupo Terracycle, criada pelo Tom Szaky, um visionário que foi a Davos e conseguiu convencer grandes marcas de que sua ideia era viável.  É com elas que ele está pilotando essa solução.

E por que isso interessa para empresas como Procter and Gamble, Unilever, Danone, Mars?

É só olhar a foto ou ler o relatório do Greenpeace sobre as marcas mais poluidoras.

nestle landifill.jpg

Sim, amigas e amigos, com tanto investimento em marketing, essas marcas estão decorando lixões, aterros e mares mundo afora. Isso faz com que pessoas como você e eu paremos para pensar se realmente queremos consumir seus produtos. Faz também com que o movimento pelas compras a granel, ou bulk stores, ganhe relevância no mundo inteiro com a rapidez de fogo sobre um rastro de pólvora. Entre no insta e faça o teste. #zerowaste, mais de 2 milhões de publicações e siga em frente para #plasticfree e veja que são quase 1 milhão de entradas. Veja quantas imagens de compra a granel de tudo, de shampoos a milho e sabonete, aparecem nessas publicações.

Estamos cada vez mais olhando para o nosso umbigo e a nossa responsabilidade em regenerar o planeta e esse, aliás, é um movimento super feminino. São as mulheres se dando conta de que algo deu errado no mundo enquanto elas partiam para trabalhar fora e compravam comida congelada e pizza para seus filhos.

propaganda da Dow Química, anos 50. O plástico era vendido como tudo de bom!

propaganda da Dow Química, anos 50. O plástico era vendido como tudo de bom!

 Muito além do consumo consciente

Sim, tem tudo a ver com o movimento de consumo consciente, mas também é uma revisão gigante que podemos chamar de... logística consciente. Claro, pode ser mais caro num primeiro momento, aliás, muito mais caro, adotar o modelo da Loop. Afinal, é preciso criar as novas embalagens, adaptar as linhas de produção, ter os containers na porta das casas, adaptar centros de distribuição, as linhas de produção para fazer o refil, é preciso montar o sistema de assinaturas. Afe!

E mudar hábitos, muuuuitos hábitos.  Porque consumir dessa nova forma ainda nem está no horizonte da maioria de nós. No Brasil, a Natura já faz refil há tempos. Quantos realmente adotaram o sistema?

Mas pense também em quanto a indústria vai economizar evitando o plástico de uso único e passando para algo durável?

Unilever-closes-Personal-Care-factory-in-Swansea-after-23-years_wrbm_large.png

Imagina uma linha de produção como essa na foto rodando sem parar durante pelo menos 8 horas por dia em todo o mundo e para todas marcas que você vê nas prateleiras do supermercado. A indústria, você e eu pagamos por esses poluentes! Isso entra na sua casa e depois vai parar nos aterros.

Mas e a reciclagem? Não resolve?

Veja o dado na reportagem da CNN.

91% de todo o plástico que hoje está em aterros nunca foi reciclado! Veio de uso único mesmo! Na cidade de São Paulo, só 3% dos resíduos são reciclados e são 20 mil toneladas dia de resíduos sólidos diariamente... vai vendo o tamanho do problema.

Além disso, o maior recebedor de resíduos recicláveis do mundo, a China, desde 2017 reduziu drasticamente o que recebe. Portanto… Houston, we have a huge problem!

Como funciona o Loop

Loop em inglês significa ciclo, ou esse movimento de retorno ao início que já está no símbolo da reciclagem. Então a ideia é essa mesmo e faz parte do princípio fundamental da economia circular: é preciso fazer com que o resíduo gerado durante o consumo volte para a cadeia produtiva. 100% dos resíduos deveriam ser reutilizados.

Lembra? Na natureza nada se perde, nem uma folha que cai da árvore, e nós, a princípio, somos parte da natureza!

Mas fazer isso em escala global... ah, vamos ver como seria.

loop how works port.png

É isso que os protótipos atuais, ou seja, os testes práticos que estão sendo feitos nos EUA, tentam provar. Eles são feitos para entender e aprimorar um sistema que não é simples. Imagina o número de containers da Loop que precisaremos nas grandes cidades? Imagine esse processo de transporte de embalagens vazias? E o combustível que isso vai queimar? E a limpeza das embalagens? Como a indústria vai fazer isso sem desperdiçar água?

Faça você mesmo o seu Loop

É sempre bom lembrar: existem alguns princípios do consumo consciente, como o simplifique e o faça você mesmo, que não dependem de algo como o Loop. Se eu faço meus produtos de limpeza em casa, posso usar sempre a mesma embalagem! Se eu compro meu Shampoo em barra numa embalagem compostável de uma marca local, eu já estou fazendo o meu loop. E isso sim seria ideal. Cada pessoa começa resolvendo o seu.

Mas não é para todos, Casa Causa! Claro, a gente entende. A ideia da praticidade nos foi vendida durante décadas e ainda impera! A Loop é uma maneira de tentar ajustar nosso modo de vida com à constatação de que estamos nos afogando em plástico e talvez muitas das doenças da atualidade venham daí. Veja nosso artigo sobre microplásticos e entenda como isso tem sido investigado pela medicina.

E no Brasil?

Estamos longe disso ainda e não podemos esperar. Lembra da greve dos caminhoneiros em 2018? Você ficaria sem produtos durante quanto tempo? Imagine uma comunidade numa grande cidade, você consegue visualizar esses containers da Loop em algum lugar? Imagine que 64% das cidades no Brasil nem têm aterros sanitários e sim lixões para onde todo esse plástico gerado pela indústria, ou quase todo, está indo.

Mas o futuro

é o hoje

do amanhã!

Ele vai chegar! E a Loop está plantando novas ideias no lugar mais árido, na indústria, onde a dependência do plástico parecia até agora inevitável.

Estamos de olho, fique você também e, enquanto isso, que tal reduzir todos os produtos com plástico que você consome na sua casa? Afinal, o andamento das coisas já provou que não podemos esperar a indústria resolver a nossa vida, porque ela vai fazer isso do jeito dela e precisamos saber o que nós, como cidadãos do mundo, queremos fazer para #regeneraroplaneta.

#boracausar!